Categorias

CIDADE Novos abrigos são inaugurados em Niterói

centroleliaFoi inaugurada na última quinta-feira (31/03), o Centro de Acolhimento Lélia Gonzalez, em São Lourenço, para mulheres e suas famílias. O novo abrigo, instalado no terreno da antiga ACIAC (Associação dos Centros Integrados de Assistência à Criança), funcionará próximo ao abrigo masculino Florestan Fernandes, que ficava no Centro e foi transferido para um novo espaço.

Os dois abrigos funcionarão 24h e as pessoas serão levadas para o local pelas equipes de acolhimento da SASDH. Será disponibilizado um total de 100 vagas de acolhimento para pessoas em situação de vulnerabilidade social, sendo 50 vagas para mulheres e suas famílias (filhos e maridos), e 50 vagas para homens. Os abrigos, que ficam na Rua Presidente Castelo Branco, 7, em São Lourenço, contam com alojamentos individuais e quartos para famílias. Homens sozinhos serão instalados no Florestan Fernandes. Mulheres sozinhas ou com suas famílias ficarão no Lélia Gonzalez.

“Não basta ser um Centro de acolhimento, tem que ter algum tipo de iniciativa que consiga garantir o resgate da autoestima e da cidadania. Aqui as pessoas terão abrigo e terão perspectiva de qualificação profissional e de renda. Também estamos com uma parceria com a EMUSA e os funcionário da empresa vão passar a comprar os pães para o seu café da manhã aqui na nossa padaria-escola”, afirmou a secretária municipal de Assistência Social, Verônica Lima.

Ela lembrou, ainda, de outras importantes campanhas da SASDH, com impacto direto na questão da população de rua na cidade.

“É importante reforçar, também, que dar esmola não é dar cidadania. Esmola é a manutenção de quem vive nas ruas. Por isso, estamos lançando uma campanha forte para que as pessoas evitem isso. Ninguém deve dar esmola. A resistência das pessoas em ficar nos abrigos, muitas vezes é porque nas ruas tem gente dando esmola. Essa campanha é fundamental. Além disso, nos últimos 3 meses, 119 pessoas que estavam nas ruas foram encaminhadas de volta para suas cidades de origem. Esse é outro trabalho muito importante”, finalizou ela.

As instalações foram totalmente reformadas e contam com um espaço de 9 mil metros quadrados. O local foi adaptado seguindo as normas e padrões estabelecidos pelo Ministério do Desenvolvimento Social de Combate à Fome, com estrutura para o realizar o suporte psicopedagógico dos acolhidos, através do resgate da autoestima e da reinserção social. No local, as pessoas serão atendidas por uma equipe multidisciplinar, com psicólogos e assistentes sociais, e também haverá cursos de capacitação para o mercado de trabalho.

O novo equipamento possui oficinas já equipadas de corte e costura e uma padaria-escola e futuramente, com apoio e recursos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), serão viabilizados uma cooperativa e um centro de triagem de resíduos e reciclagem junto aos catadores, dando assim uma perspectiva de renda e empregabilidade para essas pessoas acolhidas.