Categorias
NOVIDADES

NOTÍCIAS Dois anos do Pacto Niterói Contra Violência com queda da criminalidade

Completa este mês dois anos do Plano Municipal de Segurança Pública de Niterói, conhecido como Pacto Niterói Contra a Violência. O saldo é positivo: em janeiro de 2018 os indicadores do Instituto de Segurança Pública (ISP) registraram 1.259 roubos de veículos, no mesmo período de 2020 o número caiu para 312. Os crimes também diminuíram, de janeiro a julho de 2018 o número era de 3.020 crimes, enquanto em 2020 foram 928 ocorrências.

Segundo o Prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, programas como o Niterói Presente e Proeis, presente em oito bairros da cidade, foram de extrema importância para o projeto:

“O Pacto Niterói Contra a Violência, da Prefeitura em cooperação com as forças públicas de segurança tem produzido resultados extraordinários. Vamos seguir investindo em inteligência com o CISP, no Niterói Presente, no fortalecimento da Guarda Municipal e na prevenção. Nós estamos vencendo a batalha contra a violência em Niterói e chegamos aos menores índices de criminalidade dos últimos 20 anos graças a esse trabalho integrado”, disse o prefeito Rodrigo Neves.

Para o diretor do Instituto Cidade Segura, Alberto Kopittke, que fez parte do planejamento do Pacto, a mudança de concepção de segurança pública torna Niterói um modelo de gestão na área.

“Em vez de ser um plano reativo e desintegrado, o Pacto é ativo e integrado. Ele envolve ações que vão da prevenção ao policiamento. Niterói passa a ser protagonista pela velocidade que implementa os projetos, pelos resultados alcançados e pelo volume de recursos investidos”, complementa Alberto.

O Pacto Niterói Contra a Violência também conta com a participação da população através de canais de comunicação. No primeiro ano de atuação as denúncias aumentaram 14%, de setembro de 2018 a julho deste ano foram registradas 6822 denúncias.

Um dos diferenciais do Pacto Niterói Contra a Violência é englobar uma série de programas não só de combate à violência, mas ações sociais e de prevenção. Um dos exemplos é o Programa Escola da Família, criado para fortalecer o vínculo afetivo da gestante com o bebê e com os familiares. Durante a pandemia, o programa continuou atuando em parceira com o Consultório de Rua. As gestantes em situação de rua foram acolhidas e os primeiros frutos foram positivos, de acordo com o depoimento das participantes.