Categorias
NOVIDADES

NOTÍCIAS Secretaria Estadual de Segurança anuncia mais 550 policiais para Niterói, São Gonçalo e Itaboraí

3 mil Policiais serão realocados de UPP’s na cidade do Rio, para outras áreas onde índices de violência são maiores.

O secretário de Segurança Pública Estadual, Roberto Sá, afirmou que as UPPs deverão permanecer nas comunidades. No entanto, haverá uma otimização da estratégia e disposição dos efetivos. Sá anunciou também a criação de um Batalhão de Polícia Pacificadora na Penha e Alemão, na Zona Norte do Rio.

A Coordenadoria de Polícia Pacificadora passa a ser o órgão de definição das diretrizes do programa, subordinado ao Comando-Geral da Polícia Militar e empenhado em aumentar o diálogo com os moradores nas comunidades.

Wolney diz que os policiais realocados serão para reforçar o efetivo nas regiões que concentram 86% da letalidade violenta no RJ.

— Vamos padronizar as escalas de serviço das UPPS. Vamos realizar realocações para a região metropolitana — disse.

Dos policiais que serão realocados, 1.100 serão distribuídos pela cidade do Rio, 900 para cidades da Baixada Fluminense, 550 para Niterói, São Gonçalo e Itaboraí, 300 serão realocados para o Batalhão de Policiamento em Vias Expressas (BPVE) e 150 para oBatalhão de Policiamento em Áreas Turísticas (BPTUR). O efetivo é 30% do total de policiais em UPPs.

De acordo com a secretaria de Segurança, um estudo da PM diagnosticou a necessidade de uma maior aproximação das UPPs com os Batalhões. O estudo da Polícia Militar foi requisitado pelo Conselho Permanente de Avaliação e Deliberação (CPAD) da Seseg, criado para avaliar o Programa de Polícia Pacificadora, a pedido do Secretário de Estado de Segurança, Roberto Sá.

“Após verificar a necessidade de aproximação entre as unidades operacionais e pacificadoras, a análise do emprego do efetivo detectou que policiais das UPPs estão empenhados em atividades que já existem nos batalhões. Logo, o reforço de policiais nas ruas não irá retirar policiais empenhados em atividade-fim de patrulhamento nas comunidades ou dedicados a projetos sociais”, diz a secretaria em nota.

fonte: Jornal O Globo (https://glo.bo/2xaAC0o)