Categorias
NOVIDADES

Tarantino do meu coração!

quentin-tarantino-django-unchained

Por Ana Fonte (anacafonte@gmail.com)

Tarantino do Meu Coração! 

Quentin Tarantino sempre me enche de inspiração e admiração. Em “Django Livre”  – Django Unchained – ele brinca de uma forma tão gloriosa com nossos sentimentos, sejam eles bons ou ruins. Esfrega na nossa cara toda a ruindade existente no ser humano para com outros seres humanos, embrulha nosso estômago com cenas indiscutivelmente intragáveis, e no meio de todo esse ódio refletido em vingança, alivia o  nosso desespero com tiradas hilárias. Quem assiste se deleita com prazerosas paisagens magníficas, ao mesmo tempo que tapa os olhos para cães famintos dilaceradores de gente.

Pela primeira vez, se não me falha a memória, vejo o amor em seu discurso. Mesmo com todo esse sangue derramado, toda vontade de fazer vingança com as próprias mãos, Tarantino faz esse personagem passar por cima de qualquer um que atrapalhe o resgate de sua amada. E todo o mal que ele fez, acabamos perdoando. E todo o mal que o fizeram (aos escravos) é louvavelmente quitado. A matança final, tiros atropelando tiros, a satisfação de exterminar todos aqueles ignorantes asquerosos nos é concedido como um gozo. E no fim, o injustiçado se glorifica. Resgata sua joia rara, e nosso peito de espectador vibra e o santifica. Viva!

Sempre é uma experiencia visceral se permitir assisti-lo. Vai além do que um roteiro magnífico, vai além do que atores formidáveis, vai além de julgamento do que se é bom ou ruim. Ele faz arte cinematográfica em sua mais pura essência. Faz arte.

Choro de Alegriacrying

Agora, neste exato momento, o que realmente importa pra ela é: lembrar dos detalhes daquele dia. O tal dia que conseguiu enxergar o que não podia ver. Traduzir o que é invisível aos olhos humanos.Ela gostava do estado sobrenatural e rosa fluorescente de estar apaixonada. Flutuar com pés no chão, se pegar rindo à toa, rir por nada… esse tipo de coisa. E foi o que aconteceu naquele dia. Repentinamente o amor se instalou em seu peito e ela passou a amar tudo ao seu redor. Amar o engarrafamento que lhe atrasava, amar o moço vendedor de paçocas, amar a ventania que passava e transformava seus cabelos em ninho de passarinho. Amar a abelha que não abandonava o seu cappuccino.

A vida passou a existir com perfeição. Descobriu que as coisas não acontecem por acaso, já que pra viver essa alegria de amar o nada, tudo precisou existir. E pôde, por alguns minutos, experimentar o encaixe perfeito com o mundo.

Chegando em casa, ela encheu o peito de ar, expirou e inspirou delicadamente. Ainda lhe faltava ar. Repetiu a sequência com calma, até se sentir um pouco aliviada do impacto com a felicidade inesperada.  Não estava acostumada com alegria repentina. E como quem se liberta de um estado sufocante, ela permitiu o corpo a viver o que queria.

Presenciei esse momento.

Estava uma noite quente, com cheiro de floresta molhada. Havia uma fresta na janela do seu quarto, onde passava  um pouco de luz que vinha da casa vizinha. E foi simples. – Brotou do centro da sua alma, deu várias voltas no estômago, subiu pela espinha dorsal , enrolou-se como um nó na garganta, e se concretizaram em lágrimas salgadas e densas. Percorreram gentilmente por suas bochechas lisas até se aconchegarem sublimes em seus seios.

Ela riu. E chorou. E riu de novo.