Categorias
NOVIDADES

EXPOSIÇÕES Exposição “Execute-se” de Jonas Esteves

Serviço
Exposição “Execute-se” de Jonas Esteves
Período de visitação: 11 a 30 de agosto de 2016
Segunda a sexta-feira, das 10h às 17h; Sábados, domingos e feriados, das 10h às 15h
Classificação: Livre
Entrada Franca
Local: Centro Cultural Paschoal Carlos Magno (CCPCM)
Endereço: Rua Lopes Trovão, s/n, Icaraí – Niterói (Campo de São Bento)
Informação: 2610-5748

execute-se

De 11 a 30 de agosto de 2016, o Centro Cultural Paschoal Carlos Magno (CCPCM) recebe a exposição “Execute-se”, do artista e designer multimídia Jonas Esteves. A mostra é uma espécie de manual de instrução de projetos, com ideias, desenhos e ficções que escondem em seu íntimo a devoção do artista pelas máquinas.

A exposição ocupa a Galeria Quirino Campofiorito, localizada no térreo do Centro Cultural Paschoal Carlos Magno, e pode ser conferida de segunda à sexta-feira, das 10h às 17h; sábados, domingos e feriados, das 10h às 15h. Entrada Gratuita.

Desde sua infância, Jonas se interessava por robôs. O artista era constantemente instigado pelo fato dessas máquinas terem autonomia e estava sempre em busca de seriados, desenhos, filmes e outros conteúdos que falassem sobre robótica. Entretanto, o interesse dele não parou por aí. Ele também desejava entender como essas invenções eram criadas, a parte elétrica, mecânica e etc. Essa curiosidade desencadeou o processo do artista criar os seus próprios brinquedos. A partir daí, ele foi desenvolvendo técnicas e aprendendo sobre o funcionamento das coisas, sem a ajuda de manuais de instruções.

Jonas Esteves

Artista e designer multimídia. Bacharel em Artes Visuais e especialista em Comunicação e Mídias Digitais. Em sua produção artística desenvolve pesquisas em arte e tecnologia, participando de exposições coletivas e individuais desde 2010. Sua poética envolve a observação do funcionamento de máquinas, fascínio que surgiu na infância, quando desmontava objetos e modificava suas funcionalidades. Interessado por ficção científica, sempre questionou o funcionamento de robôs, androides e seres maquínicos e o modo como eles se comportam. A partir disso, reflete em sua produção possibilidades de humanizar máquinas. Transita entre o desenho, vídeo, gambiarra e construções eletrônicas.