Categorias
NOVIDADES

TEATRO Victor Biglione lança o CD “Violão de Aço Brasil” no Municipal

1631_flyerServiço

Victor Biglione – “Violão de Aço Brasil”
Data: Domingo, 13 de setembro de 2015
Horário: 19h
Duração: 90 min
Ingressos: R$ 50 | Meia-entrada: R$ 25
Classificação etária: Livre

Local: Teatro Municipal de Niterói
Rua XV de Novembro, 35, Centro, Niterói-RJ
Tel: (21) 2620-1624

Consagrado como um dos maiores guitarristas e violonistas da atualidade, o argentino Victor Biglione se apresenta no Teatro Municipal no domingo, dia 13 de setembro de 2015, às 19h, em um show de divulgação de seu novo CD, “Violão de Aço Brasil”. Acompanhado por Jefferson Luís Lescowich, no contrabaixo, e Victor Bertrami, na bateria, Vitor mistura bossa nova, rock, jazz e blues, trazendo para o público o melhor da música instrumental brasileira. Os ingressos custam R$ 50 reais.

Victor Biglione consagrou-se no Brasil e no exterior como um dos maiores guitarristas e violonistas da atualidade. Com um estilo musicalmente eclético, o novo disco do músico, “Violão de Aço Brasil”, é a sua homenagem como solista ao instrumento que teve grandes e inesquecíveis representantes na música popular brasileira.

A partir do estouro da bossa-nova, junto com a batida de João Gilberto no final dos anos 50, foi o violão de “nylon” que passou a imperar na MPB. O “aço” voltou a entrar em cena posteriormente, décadas depois, mas sendo utilizado principalmente no acompanhamento de baladas “pop” e não como solista. Biglione já há algum tempo vinha fazendo duos de grande importância com este instrumento, ao lado de nomes como Wagner Tiso, Yamandú Costa, Andy Summers, João Bosco, Marcel Powell e Marcos Ariel.

Agora, o guitarrista, atuando também como arranjador, lança esse CD, que conta com um repertório formado por canções como “Tostão”, música de Milton Nascimento para o filme “Tostão, a fera de ouro”, de 1970; “As rosas não falam”, de Cartola, que ganha lirismo de alto nível no violão solo de Victor; “Duda no frevo”, de Senô, eternizado pelo Quinteto Violado; e “Muié rendeira”, do filme “O Cangaceiro”, de 1953, que abre caminho para um improviso nordestino bastante contemporâneo.

Um tema com múltiplas regravações, “Insensatez”, que ganha o arranjo mais ousado do disco, tem uma releitura de grande originalidade, explorando ainda mais o lado erudito da composição. Também compõem o repertório “Cai dentro” (Baden Powell & P.C.Pinheiro), que nos remete à sonoridade do quarteto inesquecível que acompanhava Elis Regina. Em “Amazonas”, o guitarrista entra com seu lado cigano neste tema consagrado de “latin-samba”, e “Por una cabeza” é a vez de Biglione mergulhar em suas origens para interpretar um dos tangos mais belos de todos os tempos.

Victor Biglione

Nascido em Buenos Aires, Biglione é considerado o músico estrangeiro com a maior contribuição em gravações e shows na MPB. Tendo gravado mais de 16 álbuns ao longo de sua carreira, consagrou-se no Brasil e no exterior como um dos maiores guitarristas e violonistas da atualidade. O músico participou do New York Guitar Festival (2002), nos EUA, onde também consolidou sua parceria com o ex-Police Andy Summers, gravando o segundo CD do duo, “Brazil Splendid”.

Biglione se apresentou na última década nos principais festivais de jazz do mundo, entre eles o Free Jazz, o Festival de Montreal e o New York Guitar Festival. Compôs, também, várias trilhas sonoras para cinema, TV, teatro e ganhou o Grammy Latino pelo CD “Crooner”, gravado com Milton Nascimento. Com seu estilo eclético, misturando bossa nova, rock, jazz e blues, Victor já tocou com mais de 300 nomes da MPB e da música internacional.