fbpx
Acesse nossas Mídias

Notícias

Mulheres ganham protocolo de acolhimento contra importunação, assédio e violência em estabelecimentos de Niterói

Mulheres ganham protocolo de acolhimento contra importunação, assédio e violência em estabelecimentos de Niterói

Compartilhe

Foi aprovada a Lei Municipal 3.592/2021, que cria o protocolo de acolhimento à mulher em situação de risco em estabelecimentos comerciais na cidade.

O texto tem como objetivo apoiar a mulher vítima de importunação, assédio e violência dentro de bares, restaurantes, cafés, quiosques, polos gastronômicos, shoppings, casas noturnas, espaços de eventos, casas de shows, hotéis e centros de convenções.

Os estabelecimentos comerciais deverão oferecer treinamento especializado aos seus colaboradores, com instruções sobre técnicas de abordagem ao agressor e a conduta adequada a ser adotada com a vítima.

O intuito é que a mulher niteroiense possa ampliar sua rede de apoio e, dessa forma, reduzir situações de vulnerabilidade.

Os estabelecimentos comerciais terão até 30 dias úteis para implementar o protocolo e se certificarem com o “Selo Niterói pela Mulher – Local Protegido”. A autoria é do vereador Binho Guimarães.

“Projetamos essa Lei para proporcionar às mulheres niteroienses mais segurança dentro dos estabelecimentos comerciais. É fundamental que o Estado, na expressão de todos os entes federativos, estimule medidas que fortaleçam e ampliem a rede de proteção à mulher e o comércio é um importante aliado nessa missão. Podemos assegurar que, no que depender do legislativo municipal, nossos esforços estarão voltados a expandir a consciência de que violência doméstica é um problema social que exige nossa intervenção enquanto sociedade e nenhuma mulher pode ficar para trás”, diz o vereador.

Durante a pandemia, entre março e dezembro de 2020, foi registrada média de 260 casos de violência contra a mulher por dia, no Estado do Rio.

Foram mais de 73 mil vítimas, um número 27% menor que o registrado no mesmo período de 2019 (102.344 vítimas). Os dados são do Núcleo de Estudos ISPMulher, do Instituto de Segurança Pública do estado.


Compartilhe
Continuar Lendo
Comentários

Mais Notícias

Topo
Abrir chat
Precisa de ajuda?