Categorias
NOVIDADES

CINEMA Cine Arte UFF – Programação de 12 a 18 de Maio

cine-uff-capa

Ingressos
Inteira – R$ 12,00 | Meia – R$ 6,00 (exceto segundas-feiras)
Segunda-feira – Promoção “Meia-entrada para todos” – R$ 4,00

Rua Miguel de Frias 9
Icaraí Niterói RJ
(21) 3674-7511 | 3674-7512

 

12 a 18 de maio de 2016 – quinta a quarta

 

Dia 12

quinta

14h A JUVENTUDE
17h Meu Nome é Jacque  (Cineclube Laerte – Entrada franca)
19h30 OS HOMENS QUE EU TIVE + debate (Cineclube Quase Catálogo – Entrada franca)
 

13 a 18

sexta a quarta

14h A JUVENTUDE
16h30 TRUMAN
18h50 NISE — O CORAÇÃO DA LOUCURA
21h 15a Mostra do Filme Livre – Entrada franca

 

Cineclube Laerte – Entrada franca

17h > Meu Nome é Jacque

Brasil, 2016, 72′, 12 anos

De Angela Zoé

 

O documentário aborda a diversidade através da história de vida de Jaqueline Rocha Côrtes, uma mulher transexual brasileira, que vive com Aids há mais de 20 anos. Militante pela causa, Jacque tem a vida marcada por lutas e conquistas, chegando a trabalhar como representante do governo brasileiro e na ONU. Hoje casada e mãe de dois filhos, mora numa pequena cidade, levando uma vida voltada para a maternidade, a família e a espiritualidade. Ao acompanhar o cotidiano de Jacque e revisitar sua trajetória, o filme apresenta, pouco a pouco, os inúmeros desafios que foram rompidos, levantando uma reflexão sobre diversos preconceitos.

 

Trailer > https://www.youtube.com/watch?v=QqoBaviOeHU

 

Cineclube Quase Catálogo – Mulheres Diretoras – Entrada franca

Sessão seguida de debate com Tereza Trautman e Ana Maria Veiga, pesquisadora e pós-doutoranda na UFSC.

 

O cineclube Quase Catálogo – Mulheres Diretoras busca fazer um resgate da história do cinema brasileiro e mundial realizado por mulheres, contribuindo também para o aumento da visibilidade de novas cineastas emergentes. Entendemos que o termo “mulher” é amplo e complexo e não dá conta de todos os seus significados. Por isso, o cineclube buscará abordar, sempre junto ao público, a intersecção entre gênero e raça, sexualidade, classe, localização geográfica e outras condições sociais e políticas que influenciam o fazer cinematográfico das mulheres no mundo.

Na estreia, o cineclube tem a honra de exibir o longa-metragem Os homens que eu tive, da diretora Tereza Trautman, em cópia 35mm do Arquivo Nacional.

 

19h30 > OS HOMENS QUE EU TIVE

Brasil, 1973, 85′, 16 anos

De Tereza Trautman

Com Darlene Gloria, Milton Moraes, Arduíno Colasanti

 

Dodi é um cara de mente aberta que liberou sua esposa Piti para viverem em um casamento aberto. Quando um dos amantes de Piti vai se hospedar na casa dos dois, a moça se apaixona pelo rapaz e começa a manifestar um desejo de seguir sua vida. O filme foi censurado pela Ditadura na época do seu lançamento.

 

13 a 18 – sexta a quarta

 

14h > A JUVENTUDE

Youth, Itália/Fra/RU/Suí, 2015, 124′, 14 anos

De Paolo Sorrentino

Com Michael Caine, Harvey Keitel, Rachel Weisz, Jane Fonda, Paul Dano

 

Fred e Mick, dois velhos amigos com quase 80 anos de idade, estão passando as férias em um luxuoso hotel. Fred é um compositor e maestro aposentado e Mick é um cineasta em atividade. Os dois passam a recordar suas paixões da infância e juventude. Enquanto Mick luta para finalizar o roteiro daquele que ele acha que será seu último grande filme, Fred não tem a mínima vontade de voltar à música. Entretanto, muita coisa pode mudar. Melhor Filme, Diretor e Ator (Michael Caine) no European Film Awards 2015.

 

Trailer > https://www.youtube.com/watch?v=2tiOFOiKQP4

 

16h30 > TRUMAN

Truman, Espanha/Argentina, 2015, 108′, 14 anos

De Cesc Gay

Com Ricardo Darín, Javier Cámara, Dolores Fonzi

 

Julián recebe a inesperada visita de seu amigo Tomás, que vive no Canadá. Durante quatro dias, os dois amigos mais Truman, o fiel cão de Julián, vivem momentos emocionantes e por vezes cômicos, devido a uma situação extremamente delicada que Julian está vivendo. Cinco prêmios Goya: Filme, Diretor, Ator, Ator Coadjuvante e Roteiro Original.

 

Trailer > https://www.youtube.com/watch?v=ivn57WtKK2c

 

18h50 > NISE — O CORAÇÃO DA LOUCURA

Brasil, 2015, 108’, 12 anos

De Roberto Berliner

Com Glória Pires, Simone Mazzer, Julio Adrião

 

Ao voltar a trabalhar em um hospital psiquiátrico no subúrbio do Rio de Janeiro, após sair da prisão, a doutora Nise da Silveira propõe uma nova forma de tratamento aos pacientes que sofrem de esquizofrenia, que elimina o eletrochoque e a lobotomia. Seus colegas de trabalho discordam do seu método de tratamento e a isolam, restando a ela assumir o abandonado Setor de Terapia Ocupacional, onde dá início a uma nova forma de lidar com os pacientes, através do amor e da arte.

 

Trailer > https://www.youtube.com/watch?v=UeAUNvcM_xk

 

Ingressos

Inteira – R$ 12,00 | Meia – R$ 6,00 (exceto segundas-feiras)

Segunda-feira – Promoção “Meia-entrada para todos” – R$ 4,00

 

21h > 15a Mostra do Filme Livre – Entrada franca
A Mostra do Filme Livre – MFL – completa 15 anos e mais uma vez estará nos quatro Centros Culturais Banco do Brasil, de março a junho, e também vai percorrer o circuito de Cineclubes Livres, que em 2015 teve 2.700 espectadores em mais de 60 cidades. Pela primeira vez o Cine Arte UFF participará da mostra itinerante.

Ao todo serão exibidos 205 filmes selecionados dos 1.342 inscritos, a maioria (90%) feita sem verbas públicas, ou seja, filmes independentes! Obras de todo o Brasil que muitas vezes terão a MFL como sua primeira e/ou única exibidora nos cinemas.

A chance de ver esta crescente e consistente produção independente do nosso cinema começou no Rio de Janeiro (9 de março a 4 de abril) seguindo quase ao mesmo tempo para São Paulo (16 de março a 7 de abril); depois indo para Brasília (13 de abril a 2 de maio), Niterói (13 a 18 de maio), finalizando sua maratona na capital mineira (25 de maio a 13 de junho). Como de praxe, a MFL será gratuita.

“De curtas infantis (alguns feitos por crianças) a longas de horror, sem esquecer as experimentações e documentários nada caretas, tem de quase tudo na MFL!! São filmes que mostram a versatilidade, a poesia e a potência do cinema possível brasileiro agora hoje!”, fala Guilherme Whitaker, curador da mostra.

Abaixo, a programação no Cine Arte UFF. Toda a programação da mostra pode ser encontrada no site http://mostradofilmelivre.com
Dia 13 – sexta
Programa Autores livres – 16 anos, 64′

Apresentação dos curadores da MFL
Agreste

De Dellani Lima, MG, 15’

O mar bravo inunda os corações.
Fim de semana

De Pedro Diogenes e Ivo Lopes Araujo, CE, 25’

Um fim de semana acompanhando o trabalho de uma banda de forró viajando pelo interior do Nordeste entre asfalto, guitarras e painéis de LED.
Aqueles que ficam

De
 Arthur Lins, PB, 24’

Tomara que você tenha sorte nesta viagem. Que você descubra novas paixões. Sorte pelo que surgir… pelo inesperado da vida.

Dia 14 – sábado
Programa Curta o Longa 1 – 16 anos, 92’
Carruagem Rajante

De Lívia de Paiva e Jorge Polo, RJ, 22′

Mariana e suas primas estão na pequena cidade de Sertaneja, na noite do velório da avó. No carro onde passam a noite, a lâmpada interna não desliga.
O signo das tetas

De Frederico Machado, MA, 2015, 70’

Um road movie sobre a jornada de um homem pela paisagem do interior do Maranhão, em busca das memórias de sua infância. A segunda parte da Trilogia Dantesca, do diretor Frederico Machado, iniciada em seu primeiro longa, O Exercício do Caos.

Dia 15 – domingo
Programa Curta o Longa 2 – 16 anos, 95’
SuperRio SuperfiCções

De Antonie Guerreiro do Divino Amor, RJ, 10`

SuperRio é o gêmeo superficcional do Rio de janeiro, um ecossistema de superficções que interferem na construção da cidade e do imaginário coletivo.
Tropykaos

De Daniel Lisboa, BA, 85’
Guima, um jovem poeta, tenta interagir com a cidade, fazer parte dela, mas parece não ter corpo para isso. É o verão mais caloroso dos últimos 50 anos e o Sol é a metáfora maior de um sistema violento que adormece e agride a todos. A sociedade, a família, amigos e amores se deformam com o calor. Guima parece despertado, parece o primeiro a sentir os malefícios da exposição a “ultraviolência solar”. Na beira do que pode ser o último dos carnavais, Guima enfrenta a cidade e a si mesmo buscando a iluminação no trópico caótico.
Dia 16 – segunda
Programa Curta o Longa 3 – 16 anos, 100’
Coffin Joe Born Again

De José Mojica Marins, Marcelo Colaiacovo e Nilson Primitivo, SP, 7’

Uma mistura de material rodado em 35mm no ano de 2010 e pontas de 35mm inéditas com material do personagem Zé do Caixão, encontradas expostas e não reveladas por 30 anos, finalmente positivadas em processos químicos em 2015 no laboratório artesanal da Resistência Filmes.
As Fábulas Negras

De Rodrigo Aragão, Joel Caetano, Petter Baiestorf e José Mojica Marins, ES, 93’

Um grupo de crianças embarca numa aventura macabra povoada com personagens do imaginário popular brasileiro – lobisomem, bruxa, fantasma, monstro e Saci. Com o encontro antológico entre quatro dos nomes mais importantes do terror nacional: Rodrigo Aragão, Petter Baiestorf, Joel Caetano e José Mojica Marins, o eterno Zé do Caixão.

Dia 17 – terça
Programa Mundo Livre – 14 anos, 68’
Child World

De Duo Strangloscope, SC, 8′

Estamos todos ligados a um mecanismo infantil de satisfação pessoal: uma espécie de consumismo compulsivo que apenas se preocupa em aliviar nossas ansiedades, inseguranças e desesperos. Ironicamente, o homem contemporâneo, em seu conhecimento “avançado”, não sabe de sua totalidade espiritual, não sabe ao certo o que quer e por isso não pode ser plenamente satisfeito, sentindo-se vazio. Vivemos em um mundo infantilizado em que nós todos nos sentimos perdedores.
Indian Wells

De Luca Boskovitz e Thomaz Arruda, SP
, 17′

“Nunca pensei que o tédio pudesse ser a causa de um olhar, ou que o tênis pudesse ser a razão para um filme.”
Parque Soviético

De Karen Black, RJ
, 10′

Amor é guerra fria.
Escape From My Eyes

De Felipe Bragança, RJ, 33′

“Eles veem um homem negro e pensam que viram um leão”. Documentário e imagens ficcionais se misturam para contar as memórias e sonhos de três refugiados de guerra vivendo acampados em uma praça no coração de Berlim.

Dia 18 – quarta
Programa Curtas Livres – 16 anos – 67’
O Rosto da mulher endividada

De Renato Sircilli e Rodrigo Batista, SP, 30`

Os rostos de dez mulheres, mães dos realizadores, ampliam o rosto desgraçado de Helena Fracasso e ensaiam as desgraças que acometeram sua vida. Acompanhamos sua trajetória a partir da abertura democrática do Brasil, seu sucesso no mercado de trabalho e sua decadência financeira e subjetiva. Como saldo final de uma vida (ou de dez), resulta a lenda urbana de uma mulher fantasmática, dirigindo um Palio prateado e disposta a ajudar a mulher brasileira endividada que pragueja contra a própria vida.
Ruby

de Jorge Loureiro, Guilherme Soster, Luciano Scherer, RS, 17’

Ruby é um pintor outsider que vive sozinho em uma casa próxima à praia.
Monstro

De Breno Baptista, CE, 20’

Balada de amor e destruição.