Categorias
NOVIDADES

Assaz Atroz

oscar-pistorius-the-blade-runner-by-tim-mantoani-Por Igor Calazans ([email protected])

Assaz Atroz…

Incrível vermos como a terra gira sob às luzes do encanto e desencanto. Hoje herói, amanhã vilão, depois, insignificante, e, na morte, lenda. Exemplo de vida e força de vontade até duas semanas, o paratleta olímpico Oscar Pistorius tornou-se sinônimo de morte, repúdio, força bruta e covardia.

Por seu exemplo de vida, suas duas pernas amputadas nunca foram motivos à pena, pelo contrário, eram referências de amor à vida e luta pela igualdade humana. Agora, depois dessa “assaz atroz”, devemos sim ter pena de Pistorius. Pior do que não ter membros é não ter coração. Acabar com uma vida – a de sua mulher! – representa um tiro no pé, ou, no caso, na prótese, que ele ostentava com orgulho.

Pistorius sempre quis mostrar sua capacidade de superação. Buscou de todas as formas se igualar aos “normais”, sendo o primeiro atleta paralímpico a disputar uma Olimpíada. Infelizmente, ele conseguiu isso. Virou tão normal, que suas virtudes não fazem mais efeitos. Serão sempre desconfiadas em sombras de sua vileza. Deus tirou suas pernas para que ele fosse exemplo, e olha o que ele fez com as mãos?