Categorias
NOVIDADES

EVENTOS CAFÉ BRASIL NO TEATRO DA UFF

SERVIÇO
GRUPO CAFÉ BRASIL
01 de julho (sexta-feira)
Horário: 20 horas
Ingresso: R$ 30,00 (normal) e R$ 15,00 (estudantes, maiores de 60 anos, menores de 21 anos e pessoas com deficiência)
Censura: Livre
Local: Teatro da UFF – Rua Miguel de Frias, 9, Icaraí, Niterói, RJ – Tel.: 3674-7512
Produtor: Luiz Cláudio Carvalho

CAFÉ BRASIL NO TEATRO DA UFF

Participações especiais de Ronaldo do Bandolim e da cantora Gabriela Pasche

O Grupo Café Brasil é um típico regional de choro composto por Paulinho Bandolim (bandolim), Leo Fernandes (violão de 7 cordas), Felipe Reis (violão de 6 cordas), Phelipe Ornellas (cavaquinho) e Diogo Barreto (pandeiro). Eles vão estar no dia 01 de julho, às 20h, no Teatro da UFF, em Niterói, e vão contar com duas participações especiais. O primeiro é Ronaldo do Bandolim, um dos maiores bandolinista do Brasil e que fez parte do grupo de choro mais tradicional e famoso do Brasil , o “Época de Ouro”, além de já ter tocado e gravado com vários artistas brasileiros, como Egberto Gismonti, Artur Moreira Lima, Rafael Rabello, Valdir Azevedo, Marisa Monte, Paulinho da Viola, Clara Nunes, Cartola, Elizeth Cardoso e muitos outros. A segunda participação é Gabriela Pasche, uma jovem cantora e compositora que busca colocar no seu repertório o samba, o xote, a bossa e o que vier da boa música brasileira. Com uma forte ligação com o carnaval (ela faz parte do Bloco Pra Iaiá, dedicado ao repertório da banda Los Hermanos), Gabi acabou sendo eleita em 2015 Musa do Carnaval de Rua pelo portal de notícias G1 em uma votação aberta ao público. No momento, ela está se dedicando para lançar até o final deste ano seu segundo cd, totalmente dedicado ao samba.

Nesse show, o Café Brasil destacará composições de Pixinguinha e Benedito Lacerda, Altamiro Carrilho, João Bosco, Cartola, Abel Silva e Moraes Moreira e compositores não tão conhecidos popularmente, mas de grande expressividade no meio do choro como o bandolinista Juventino Maciel, o violonista e também bandolinista José Toledo e Avena de Castro, músico instrumentista e compositor que tocava cítara destacando a música erudita e a popular na década de 50 e 60. Buscando valorizar a essência do gênero, o Café Brasil, criado em 2007, realiza um trabalho conjunto na concepção dos arranjos, inspirados pelos antigos regionais, principalmente o conjunto Época de Ouro, maior referência para o grupo. O próprio nome do grupo é uma citação a dois discos lançados pelo Época de Ouro, Café Brasil 1 e 2. Em 2013, o grupo Café Brasil lançou o seu primeiro disco – "Em Terra de Araribóia" – pelo selo Niterói Discos, da Fundação de Artes de Niterói. O disco é uma homenagem à cidade natal do conjunto e contou com participações de músicos também ligados à Niterói: Alexandre Maionese (flauta), Netinho Albuquerque (pandeiro), Rodrigo Reis (percussão), Silvério Pontes (trompete e flugelhorn) e Ronaldo do Bandolim (bandolim), que também foi responsável pela direção musical. Nesse mesmo ano, o Café Brasil participou do Festival de Inverno de Friburgo e Teresópolis, a convite do Sesc Rio e foi convidado do programa “Época de Ouro”, na Rádio Nacional.

O Café Brasil já se apresentou em diversas casas da Lapa, como Rio Scenarium e Sacrilégio e seus músicos estão sempre participando de várias rodas de choro e samba. Além do trabalho na música instrumental, em especial no choro, o Café Brasil acompanha cantores, como faziam os antigos regionais. O compositor Zé Katimba já realizou shows acompanhado pelo Café Brasil. No cd “Agulha de marear” de Inácio Rios, lançado em 2014, o Café Brasil participou na faixa “Canto da sereia”. Nesse mesmo cd, Inácio Rios também contou com as participações de Diogo Nogueira e Mart’nália.