Acesse nossas Mídias

Especiais

14.08 – Dia Nacional da Poesia!

poeta-en-el-limbo

EU, A POESIA  (Jota Carino)

Sou pobre, pobre de marré-deci.
Não tenho a materialidade da riqueza.
Não posso ser comprada ou vendida.
Sou rica, rica de coisas impalpáveis:
Palavras de meiguice ou de luta,
Sonoras rimas ou secos versos livres.
Sou pobre, pobre de praticidade:
Só sirvo ao “para nada” da emoção.
Sou rica, rica de conteúdo,
Porém, ninguém ou nada me contém.
Você não me achará jamais,
Aprendiz de poeta.
Eu encontrarei você
Aí pelas quebradas da vida.
Hoje é meu dia,
Mas meu dia é sempre.

Continuar Lendo
Comentários

Mais Especiais

Topo