Categorias

SHOWS Orquestra Sinfônica Nacional homenageia os 90 anos de Edino Krieger, neste domingo, 11, no Teatro da UFF

Nascido em 1928, o compositor Edino Krieger festeja seus 90 anos recebendo diversas homenagens ao longo do mês de março. Dentre elas, o concerto especial que a Orquestra Sinfônica Nacional da UFF fará neste domingo, 11 de março, às 10:30h, no Centro de Artes da UFF, somente com peças escritas pelo homenageado. Sob a regência de Tobias Volkmann, a orquestra vai apresentar obras de diferentes épocas, como “Passacaglia para o novo milênio (1999)”, “Fantasia cromática e Fuga (2013)”, “Canticum Naturale (1972)” e “Terra Brasilis (1999)”. O mesmo concerto será apresentado na data de seu aniversário, 17 de março, na Sala Cecília Meireles, encerrando a série de concertos comemorativos.

Edino Krieger nasceu em Brusque, Santa Catarina, a 17 de março de 1928. Iniciou aos sete anos estudos de violino com seu pai, Aldo Krieger. Aos 15 transferiu-se para o Rio de Janeiro, para prosseguir sua formação no Conservatório Brasileiro de Música, onde estudou com H. J. Koellreutter. Em 1945 passou a integrar o Grupo Música Viva. Em 1948 foi escolhido em concurso para estudar com Aaron Copland, no Berkshire Music Center de Massachussets, EUA, onde assistiu também a aulas de Darius Milhaud. Estudou ainda na Juilliard School of Music, de Nova Iorque com Peter Mennin (composição) e na Henry Street Settlement School of Music com William Nowinsky (violino). Representou a Juilliard no Simpósio de Compositores dos Estados Unidos e Canadá realizado em Boston, e atuou como violinista da Mozart Orchestra de Nova Iorque.

Retornando ao Brasil em 1950 iniciou a atividade de produtor na Rádio Ministério da Educação, onde exerceu a função de diretor musical e organizou a Orquestra Sinfônica Nacional, e de crítico musical do jornal Tribuna da Imprensa. Em 1952 estudou com Ernst Krenek no III Curso Internacional de Verão de Teresópolis, RJ.

Com bolsa do Conselho Britânico, estudou em Londres durante um ano com Lennox Berkeley, da Royal Academy of Music. Em 1959 obteve o primeiro prêmio no I Concurso Nacional de Composição do Ministério da Educação, com Divertimento para Cordas. Em 1961 seu Quarteto de Cordas nº1 obteve o Prêmio Nacional do Disco. Em 1965 suas Variações Elementares foram estreadas no III Festival Interamericano de Música de Washington, e no ano seguinte seu Ludus Symphonicus foi estreado pela Orquestra de Filadélfia no III Festival de Música de Caracas, Venezuela. Em 1969 e 1970 organizou e dirigiu os Festivais de Música da Guanabara, dos quais se originaram, a partir de 1975, as Bienais de Música Brasileira Contemporânea.

Entre os prêmios e honrarias que recebeu estão: Prêmio Internacional da Paz do Festival de Varsóvia (1955), Prêmio da Fundação Rottelini de Roma (1955), Medalha de Honra do Cinquentenário do Theatro Municipal do Rio de Janeiro (1959), Troféu Golfinho de Ouro (1969 e 1988), a Medalha do Mérito Cultural Cruz e Souza, do Conselho Estadual de Cultura de Santa Catarina (1997), Troféu Barriga-Verde (1977), Comenda da Ordem Cultural do Ministério da Cultura e Belas Artes da Polônia (1985), Medalha do Mérito Cultural Anita Garibaldi, do Estado de Santa Catarina (1986), Prêmio Nacional da Música do Ministério da Cultura (1994) e Medalha Pedro Ernesto, maior honraria concedida pela cidade do Rio de Janeiro. É membro do Conselho Estadual de Cultura do Rio de Janeiro.

Dirigiu a divisão de música clássica da Rádio Jornal do Brasil e exerceu a crítica musical no Jornal do Brasil. Em 1976 assumiu a direção artística da FUNTERJ – Fundação de Teatros do Rio de Janeiro. Em 1979 criou o Projeto Memória Musical Brasileira/PRO-MEMUS, junto ao Instituto Nacional de Artes da FUNARTE – Fundação Nacional de Arte, do Ministério da Cultura. De 1981 a 1989 foi diretor do Instituto Nacional de Música. Foi presidente da FUNARTE, da Fundação Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro e da Academia Brasileira de Música.

Seu catálogo inclui obras para orquestra sinfônica e de câmara, oratórios, música de câmara, obras para coro e para vozes e instrumentos solistas, além de partituras incidentais para teatro e cinema. Suas composições têm sido executadas com frequência no Brasil e no exterior, inclusive por orquestras do Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, Recife, Bahia, Belo Horizonte, Liège, Bruxelas, Paris, Londres, Munique, Buenos Aires, Córdoba, Nova Iorque, Filadélfia, Washington, Colônia, Tóquio e outras.

ORQUESTRA SINFÔNICA NACIONAL DA UFF

Mantida diretamente pelo Governo Federal, a Orquestra Sinfônica Nacional – UFF foi criada através do decreto nº 49.913 de 12/01/1961, pelo então presidente da República, Juscelino Kubitschek, para divulgar a música sinfônica, com destaque para os compositores brasileiros. Durante a década de 1960, seguindo o exemplo das orquestras das rádios européias, atuou no Sistema Nacional de Radiodifusão Educativa. Através da Rádio MEC, a OSN atingiu um público diversificado, de todas as classes sociais, gravando obras de grandes compositores brasileiros. Realizou, durante esse período, mas de 1.500 concertos e centenas de gravações, desempenhando uma importante função social de divulgação da música brasileira de concerto. Com a extinção do SER, em 1982, foi transferida para a Fundação Centro Brasileiro da TV Educativa (FUNTEVÊ), ficando, no entanto, compulsoriamente inativa. Porém, em 1984, a Orquestra foi integrada à Universidade Federal Fluminense, através do Centro de Artes UFF, onde deu continuidade à sua missão de preservar e apresentar para o público obras de compositores nacionais e estrangeiros. Além de realizar apresentações semanais no projeto “Música aos Domingos”, no Cine Arte UFF, a orquestra apresenta-se regularmente em espaços como a Sala Cecília Meireles e o Theatro Municipal do Rio de Janeiro, assim como em diversos municípios dos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais.

TOBIAS VOLKMANN

Estudou canto com Inácio De Nonno e regência com André Cardoso na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Complementou sua formação como regente em masterclasses internacionais ministrados por Kurt Masur, Jorma Panula, Ronald Zollman, Isaac Karabtchevsky e Fabio Mechetti. Concluiu mestrado em regência orquestral na Universidade Carnegie Mellon de Pittsburgh (EUA) sob a orientação de Ronald Zollman. Foi premiado no Concurso Internacional de Regência, na Finlândia, em 2012, e no Festival Musical Olympus de São Petersburgo, em 2013. Em dezembro de 2015, estreou na célebre sala do Gewandhaus de Leipzig como convidado da temporada oficial do Coro e Orquestra da Rádio MDR. Como regente convidado, esteve à frente de grandes orquestras europeias e sul-americanas, entre as quais se destacam as sinfônicas do Porto Casa da Música, Estatal do Museu Hermitage e Estatal de São Petersburgo, Sinfônica do Chile e Orquestra Petrobras Sinfônica. É convidado frequente nas temporadas argentinas. É o regente titular da Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal do Rio de Janeiro e principal regente convidado da Orquestra Sinfônica Nacional da UFF.

SERVIÇO:

DIA 11 DE MARÇOdomingo
Orquestra Sinfônica Nacional da UFF homenageia os 90 anos de Edino Krieger no Teatro da UFF
Horário: 10:30h
Endereço: Centro de Artes UFF – R. Miguel de Frias, 9 – Icaraí, Niterói
Informações: (21) 3674-7515
Ingressos: R$14.00 e R$7.00

Programa:
Passacaglia para o novo milênio (1999)
Fantasia cromática e Fuga (2013)
Canticum Naturale (1972)
Terra Brasilis (1999)
Orquestra Sinfônica Nacional da UFF

Regente: Tobias Volkmann

Comments ( 1 )

Leave a Comment

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>